Domingo, 14 de Julho de 2024
°

Cultura Coluna do Ernâni

A Estética da Cruviana I

ERNÂNI GETIRANA (@ernanigetirana) é professor, poeta e escritor. É autor de inúmeros livros, dentre eles “Debaixo da Figueira do Meu Avô”. É membro da APLA, ALVAL, UBE-PI e do IHGPI.

06/07/2024 às 10h43
Por: Gustavo Mesquita
Compartilhe:
A Estética da Cruviana I

 

Sem ser propriamente saudosismo, mas é fácil constatamos que as crianças de hoje não sabem (salvo raríssimas exceções) o que é realmente uma noite estrelada. Um rio correndo manso com sapos coachando às suas margens. Um nascer do sol por detrás de uma serra.

Mas, sim, ainda é possível oferecer a elas alguma dessas maravilhas da natureza. É famosa a história de um menino chegado de São Paulo em uma cidadezinha do Piauí, com os pais, e dizendo em alto e bom som, apontando com o dedo em riste:

- Pai, mãe, olhem o cachorrão, olhem o cachorrão!!!

O cachorrão era um jumento.  Como pesquisador e autor, vejo na contação de histórias uma maneira efetiva e lúdica de apresentar, dentre uma variedade de temas, o mundo natural às crianças. Se pudermos aliar isso a uma teoria, a uma visão de mundo, melhor ainda. Vamos, pois, à teoria da cruviana.

O título acima não é em nada original. O poeta e compositor gaúcho Vitor Ramil já fez referências a uma certa "estética do frio", com a ressalva evidente e cristalina de que não se trata de restabelecer o velho paradigma entre cultura (representando o humano) e clima (simbolizando a natureza).

Eu, do meu lado, de comedor de farinha com carne de bode, de chupador de umbu-cajá e tomador de Serrana, de descansador de rede de linha, de bebedor da água do Pirapora, de apreciador das mulheres da Terra da Opala; eu, cá com meus botões e borbotões de espasmo e espanto, fazedor de promessa à Santa Mari'Alves, e de poemas às meninas de vida nada fácil; eu tremedor de medo dos velhos coronéis, mas, acima de tudo, tudinho mesmo, eu de puro acreditador da força e do poder que esse povo dito tem, eu em mim de todos esses eus lanço, aqui e agora, resumidamente, a estética poética  da cruviana.

Dizer ESTÉTICA DA CRUVIANA significa dizermo-nos nós da gema, que é outra forma de dizer que estamos acostumados com essa frialdade do clima, mas não da alma desse povo hospitaleiro, acreditador das coisas lá do céu e, ao mesmo tempo, danado de vivenciador das coisas de cá de baixo, da beira do caldeirão aceso da vida, essa mesma vida vivida na pele mesmo da ferida instalada e entalada no pingo do mei'diazinho.

Esse mesmo povo que poetiza as belezas da natureza enquanto a entope de lixo até Deus do céu, Nosso Senhor, dizer chega, filhos ingratos!!!. Esse mesmo povo que cospe no prato que lhe serviu de artefato para receber a comida que lhe desceu para o bucho e que depois de algum tempo virará merdamente outra coisa sendo sempre, contudo, a mesma e única coisa de sempre, sem nome, amém. Amem!

A CRUVIANA está instalada sob nossa pele-povo, interconectada ao sistema neural, ela entra pelos orifícios do corpo, pelos nossos gargumilhos, gurgumis, como havera de dizer essa gente toda atordoadinha pelas visagens de outrora do Tamboril, do Largo do Cruzeiro, das bandas do cabaré da Beleza, das bandas do Morro do Gritador, que assim seja.

A estética da cruviana é outra forma, outra banda de compreendermos quem somos nós, os ditos Zé povo vindo de não sei onde para lugar algum e que, por isso, inventamos de inventar que a tal cruviana nos pertence como a sede à água, como o fogo à chama.

Cruviana somos nós mesmos quando saímos de nossos corpos e revisitamo-nos de uma forma que não conseguimos expressar. Apenas sentir. Creio que em tempos vindouros haverá de ainda existir o “Festival da Cruviana”.  Pois já tem cachaça, condomínio e até um festival em Teresina com esse nome, meu senhor!!!! Mas a primeira cruviana foi a minha tenda armada na praça. Tenho fotos e testemunhas.

(*) Frio excessivo, chuvisco; chuva leve e passageira. Vento muito gelado que aparece no decorrer da madrugada. É muito comum a ocorrência do fenômeno da cruviana no município de Pedro II, PI. Até mais nos ver na cruviana,

ERNÂNI GETIRANA (@ernanigetirana) é professor, poeta e escritor. É autor de vários livros, dentre estes, “Debaixo da Figueira do Meu Avô”. Pertence à APLA, ALVAL, IHGPI e ao Coletivo P2 de Prosa e Poesia. Escreve aos sábados para esta coluna.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Cultura com Profº Ernâni Getirana
Cultura com Profº Ernâni Getirana
Sobre Ernâni Getirana, professor, lecionou na UESPI e Faculdade Santo Agostinho, aposentado na Rede Estadual de Educação, Ecoescola Thomas a Kemps. Ainda na ativa na Rede Municipal de Educação de Pedro II. Formado em Letras pela UFPI, graduado em Meio Ambiente pela UnB, graduado em Educação pela UFRJ, mestre em Políticas Públicas pela UFPI. Membro das academias: Vale do Longá e Pedrossegundense de Letras e Artes. É poeta e escritor, autor de vários livros, dentre eles “Lendas da Cidade de Pedro II”.
Atualizado às 21h00 - Fonte: ClimaTempo
°

Mín. ° Máx. °

Seg °C °C
Ter °C °C
Qua °C °C
Qui °C °C
Sex °C °C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes